Domingo, 21 Outubro 2012 18:38

Um dia no Ātma

 

Um Convite:
Caminhante, amigo, viajemos juntos.
Se dividirmos a vigília noturna,
conservaremos as nossas forças.
Lembra-te, nós deveremos alcançar
a aldeia do sagrado no coração.

A caminhada para a realização ātmica (do coração) é árdua. Por isto o Śuddha Sabha Ātma, sinônimo de comunhão com o sagrado no coração, busca materializar na Fazenda Mãe Natureza aquilo que só existia nos plano das ideias e das concepções mais elevadas. Representa um oásis de luz e um porto seguro para os viajantes do caminho, do mesmo modo que o Projeto Reviver, da Fazenda Mãe Natureza, o é para todos aqueles cansados das viagens pelo mundo das paixões, das ilusões e das incertezas do individualismo egoísta. Materializa-se, este Sabha, portanto, como aquele chamado interior que há muito ecoa em nossas almas, oriundo da essência mais pura (śuddha) do sagrado (dharma) em nosso próprio coração (Ātman).

Publicado em Artigos
Sexta, 24 Agosto 2012 13:19

Algumas considerações sobre o Bhāvana

O conjunto de termos técnicos sânscritos que formam a nomenclatura da filosofia śuddha necessita ser bem compreendido, pois cada um dos termos apresenta uma gama de significados, dependendo do seu contexto. Esta é a razão, inclusive, pela qual se orienta as pessoas a se familiarizarem com os conceitos expressos por estes termos, evitando a tentação de traduzi-los.


Publicado em Artigos

São quatro os pilares fundamentais sobre os quais se está construindo a Universidade do Coração. Os dois primeiros, Ahiṃsā (não causar dano a nenhum ser vivente) e Satyavacana (Veracidade, pronuncia-se "satia-vachana"), abrem as vias do coração. Os outros dois pilares, Lokakaiṅkarya (o serviço impessoal a todos os seres) e Dhyāna (meditação) pavimentam estas vias que conduzem ao coração, harmonizando a nossa atividade no mundo. Os falsos dogmas são aliados de moha (ilusão), a fascinação pessoal, e representam o maior e o mais persistente obstáculo para uma vida dedicada a não violência (Ahiṃsā) e à veracidade (Satyavacana).Satyavacana expressa aquilo no qual os demais pilares se resumem e que pode ser posto em termos da compreensão plena de que de nada adianta enganar a si mesmo, pois não existe outra via de realização senão aquela que nos conduz a consultar a verdade em nosso próprio coração.


Publicado em Informes/Editorial

A inauguração do núcleo central do Śuddha Sabhā Ātma, na Fazenda Mãe Natureza, prevista para o próximo dia 31 de agosto, estimula a reflexão, no seio da Universidade do Coração, em torno do ideal de promover o florescimento da nova civilização da síntese, descrita em Mitra Deva o Siddhavatar Proclamador da Civilização da Síntese (Aracaju: Ecos da Síntese, 2009).


Publicado em Artigos
Segunda, 23 Abril 2012 13:34

O que é o Śuddha Dharma? (2)

1. Śuddha Dharma como uma expressão da unidade essencial das religiões. O śuddha dharma não se refere, nem está vinculado exclusivamente a qualquer instituição religiosa, nem representa, em particular, uma única escola confessional. A expressão “śuddha dharma” (essência do sagrado) ressurge no final do século XIX no contexto de reconhecimento do caminho de comunhão com o sagrado, conforme proposto na versão resumida do antiquíssimo Praṇava Vāda, de Ṛṣi Gargyayana, traduzida para o inglês em 1910 por Babu Bhagwan Das (1869 - 1958).  O Praṇava Vāda oferece um pioneiro tratamento dialético do pensamento de distintas culturas sobre o sagrado e o profano. A obra de Gargyayana, citada em inúmeros textos antigos e que havia se perdido, discute, inclusive, a evolução das espécies do reino mineral para o vegetal; do vegetal para o animal e do animal para o humano, aproximando a ciência da espiritualidade.


Publicado em Artigos